Para um nobre republicano das Terras de Basto


Utra




Pobre ou rico, vassalo ou soberano,
Iguais são todos, todos são parentes;
Todos nasceram ramos descendentes
Do tronco antigo do primeiro humano.

Saiba, quem de seus títulos ufano
Toma por qualidade os acidentes,
Que duas gerações há só diferentes
Virtude e vício: tudo o mais é engano.

Por mais que afecte a vã genealogia
Introduzir nas veias a nobreza
De melhor sangue, do que Adão teria:

Não fará desmentindo a natureza,
Que seja sem virtude a fidalguia
Mais que um triste fantasma da grandeza.

João Xavier de Matos, (1730/35 - 1789)

A nobreza só é verdadeira onde há virtude, sem a qual é vaidade. (Em Víamos e não veremos...)

Comentários: 1

Anonymous do republicano:

Como Horácio (não o Roque),
aurea mediocritas.

Obrigado pelas "confirmantes" linhas.

quarta-feira, 16 julho, 2008  

Enviar um comentário

← Entrada

    Subir ↑